Nova forma de coleta de lixo demanda tempo e conscientização

Secretário de Controle Ambiental afirma que descarte de sacos plásticos em vias públicas está sedimentado entre os coletores e a população

Publicado em: 04 de outubro de 2017

A Prefeitura de Barra Bonita estuda forma de coletar o lixo orgânico diretamente da lixeira para o caminhão – o objetivo é evitar o acúmulo de sacos plásticos nas esquinas da cidade. A informação é do secretário municipal de Controle Ambiental Mário Benedito Fregolente.

 

De acordo com Fregolente, no entanto, o problema é antigo e o acondicionamento de lixo em vias públicas está sedimentado entre os coletores e a população. “Trata-se de algo complexo, que demanda tempo e conscientização”, explica o secretário através de ofício enviado à Câmara.

 

O documento é a resposta ao requerimento apresentado pelos vereadores Claudecir Paschoal (PMDB), Adriano Testa (PROS), Sandro Alponte (PROS) e Maicon D’água (PRP) na sessão ordinária de 04 de setembro. Os parlamentares alegam que o método atual de coleta de lixo causa transtornos à população. Afirmam ainda que entre o recolhimento do material e a chegada do caminhão é comum ver animais revirando os sacos plásticos, deixando resquícios de lixo mesmo após a coleta.

 

Fregolente explica que o município possui parceria com entidade para o recolhimento de lixo reciclável e que não há doação de material orgânico resultante da execução de serviços de limpeza e poda de árvore devido à demanda de licenças ambientais – os mesmos são depositados no aterro de inertes

 

O secretário afirma ainda que há fiscalização da Prefeitura sobre lei que obriga a instalação de lixeiras em frente às residências. “Um exemplo é em relação ao Habite-se, que somente é expedido com a referida instalação”.

 

Barra Rock Fest

 

Também através de ofício, a Prefeitura encaminhou resposta a requerimento apresentado em setembro pelos vereadores Niles Zambelo Jr. (PMDB) e Joãozinho do Hospital (PPS) sobre os investimentos públicos no Barra Rock Fest, realizado entre os dias 7 e 10 de setembro. A justificativa apresentada pelos parlamentares foi a de proporcionar “transparência” para a população.

 

De acordo com o secretário municipal de Finanças José Augusto Battaiola, a Prefeitura pagou R$ 68.341,32 pelo evento.

 

O valor foi utilizado para locação de palco, gerador, sanitário de luxo e banheiros químicos, pagamento de direitos autorais, apresentação de cinco bandas covers e fornecimento de som e iluminação, apresentação dos covers de Tim Maia e Beatles, projeto técnico e laudo de vistoria do Corpo de Bombeiros, dois bombeiros civis para análise e prevenção de acidentes e aquisição de água mineral, refrigerantes e lanches.


Publicado por: Gabriel Pizzo Ottoboni - Ass. de Comunicação, Cerimonial e Eventos

Cadastre-se e receba notícias em seu email