Corte de horas extras prejudica guardas patrimoniais, diz vereador

Lelo Lodi alega que valor despendido para o conserto do patrimônio público é maior do que o gasto com o benefício

Publicado em: 14 de dezembro de 2016

A suspensão do pagamento de horas extras aos servidores da Guarda Patrimonial de Barra Bonita trouxe prejuízos ao setor. De acordo com o vereador Rogério Lodi, o Lelo (PP), o corte no benefício dos funcionários, cujo salário-base é R$ 812,02, interfere inclusive na escala de trabalho. Desmotivados, os guardas não querem mais trabalhar além do expediente normal.  

 

De acordo com o parlamentar, a guarda é de extrema importância para a segurança e manutenção do patrimônio público. “Por esse motivo é necessário o restabelecimento do pagamento das horas extras, pois o valor despendido para o conserto desses patrimônios é maior do que o gasto com o benefício”, explica.

 

Lelo reconhece a crise econômica como empecilho para a administração pública e explica que a Prefeitura teve de fazer readequações orçamentárias e operacionais para que serviços básicos fossem mantidos, mas ressalta que a cidade, classificada como estância turística, deve zelar pela qualidade da segurança e integridade do patrimônio público. “Recentemente, vândalos quebraram todo o banheiro público localizado na Praça Waldemar Lopes Ferraz, além de outros equipamentos que estão sendo depredados por falta de uma ronda mais intensa da Guarda Patrimonial. Muitos possuem empréstimos consignados”, ressalta.   

 

Lelo expôs o problema durante a sessão ordinária realizada nesta segunda-feira (12), quando apresentou Moção de Apelo ao prefeito Glauber Guilherme Belarmino (PSDB) para que o pagamento seja restabelecido. A matéria foi aprovada por unanimidade e encaminhada à Prefeitura.


Publicado por: Gabriel Pizzo Ottoboni - Assessor de Comunicação, Cerimonial e Eventos

Cadastre-se e receba notícias em seu email